Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira pede que “ninguém fique para trás”, na visita à Cruz Vermelha

Share Image

“A minha visita aqui é para reconhecer o extraordinário trabalho desta instituição na Região Autónoma da Madeira e dizer também que podem contar com o apoio do parlamento e dos deputados, porque a Assembleia Legislativa também concedeu um donativo (de 2.500 euros) para que a Cruz Vermelha possa...

XII Legislatura, I Sessão Legislativa Parlamento Mais Perto
Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira pede que “ninguém fique para trás”, na visita à Cruz Vermelha
  • 1.jpg
  • 2.jpg
  • 3.jpg
  • 4.jpg
  • 5.jpg

“A minha visita aqui é para reconhecer o extraordinário trabalho desta instituição na Região Autónoma da Madeira e dizer também que podem contar com o apoio do parlamento e dos deputados, porque a Assembleia Legislativa também concedeu um donativo (de 2.500 euros) para que a Cruz Vermelha possa exercer as suas funções e sobretudo neste momento difícil da sociedade madeirense possa apoiar aqueles mais carenciados e que ninguém fique para trás”, salientou José Manuel Rodrigues no final da visita às instalações da Cruz Vermelha na Madeira.

Visita do Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira à Cruz Vermelha Portuguesa

No dia em que começa a segunda fase de desconfinamento, depois da pandemia, o Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira lembrou “que agora que começam a emergir os problemas sociais derivados da paralisação económica, é bom que tenhamos a consciência de que vamos ter dramas muito trágicos na nossa sociedade”, começou por referir José Manuel Rodrigues.

A falta de pagamento de salários, o aumento do desemprego, a perda de rendimentos devido ao lay-off e as dificuldades acrescidas das famílias em “fazer face às despesas essenciais” foram alguns dos alertas deixados pelo Presidente do primeiro órgão de governo próprio da Região. Considera, José Manuel Rodrigues, que as instituições de solidariedade social têm aqui “um papel importantíssimo na ajuda que podem conceder, quer aqueles que já eram mais carenciados quer aqueles que vão ficar carenciados devido à crise económica”.

Enaltece ainda “o papel decisivo (da Cruz Vermelha) na ajuda aos mais carenciados, às crianças e aos idosos”. “Tem creche, tem um lar e tem esta ‘coisa’ extraordinária que é ter 150 jovens na emergência pré-hospitalar que também agora foram decisivos, no apoio que deram ao nosso Serviço Regional de Saúde”.

A Cruz Vermelha Portuguesa apoia cerca de 700 famílias e devido à pandemia teve que suspender as atividades normais como a distribuição de roupas, assim como as campanhas de recolha de alimentos nos supermercados. “Aquelas (atividades) que são mais envolventes com a área social tiveram que ser suspensas, para evitar o contacto das pessoas umas com as outras e também porque algumas das pessoas que desempenham essas tarefas são pessoas que estão nos grupos de risco”, confirmou Rui Nunes, presidente da Delegação da Madeira da Cruz Vermelha Portuguesa.

“A atividade na área da emergência pré-hospitalar manteve-se normal, exceto no período em que houve a cerca sanitária a Câmara de Lobos, em que o Serviço Regional de Proteção Civil nos requisitou para termos os nossos voluntários em permanência, 24 sobre 24 horas”, explicou.

Mesmo sem a campanha de recolha de alimentos, a Cruz Vermelha Portuguesa prepara-se agora para prestar apoio alimentar na Madeira. “Diariamente nos telefonam pessoas para além daquelas que já constavam das nossas relações”, afirmou Rui Nunes, adiantando que “vamos agora equacionar o reinício desse trabalho e penso que na próxima semana começamos a dar resposta a essas pessoas”. O apoio da Cruz Vermelha vai ser dado através de cartões que vão ser distribuídos “às pessoas e depois as pessoas irão à superfície comercial da marca e farão as usas compras conforme as suas necessidades, no valor que é estipulado”, explicou.

Em média 4 a 5 famílias pedem diariamente ajuda a esta instituição, que tem recebido donativos de entidades privadas e públicas, entre elas o parlamento madeirense.

A prioridade dos apoios da Assembleia Legislativa, no âmbito do Projeto Parlamento Mais Perto Social, vai para as instituições não contempladas pelo Fundo de Emergência para Apoio Social, criado pelo Governo Regional, evitando assim a duplicação de auxílios financeiros.

Além da Cruz Vermelha, com 2.500 euros, a ajuda financeira do parlamento já contemplou o Banco Alimentar Contra a Fome (5.000 euros) e o CASA (2.500 euros) – Centro de Apoio ao Sem Abrigo.

José Manuel Rodrigues, Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira (vídeo)
Rui Nunes, Presidente da Delegação da Madeira da Cruz Vermelha Portuguesa (vídeo)

 

 

José Manuel Rodrigues, Presidente da Assembleia Legislativa - 18.05.2020
Rui Nunes, Presidente da Cruz Vermelha - 18.05.2020
Copyright © 2018-2020 ALRAM