79 empresas da Madeira já aderiram à certificação de boas práticas na gestão de riscos biológicos

Share Image

O Secretário Regional de Turismo e Cultura revelou hoje, na Comissão Especializada de Economia, Finanças e Turismo, que 79 empresas aderiram à Certificação de Boas Práticas na Gestão de Riscos Biológicos, sendo que seis desses processos já estão concluídos, com os certificados já entregues. Na...

XII Legislatura, II Sessão Legislativa Comissão Especializada
79 empresas da Madeira já aderiram à certificação de boas práticas na gestão de riscos biológicos
  • 2.jpg
  • 1.jpg

O Secretário Regional de Turismo e Cultura revelou hoje, na Comissão Especializada de Economia, Finanças e Turismo, que 79 empresas aderiram à Certificação de Boas Práticas na Gestão de Riscos Biológicos, sendo que seis desses processos já estão concluídos, com os certificados já entregues.

Na audição requerida pelo PS “sobre o processo de certificação de boas práticas em relação à gestão de riscos biológicos”, Eduardo Jesus garantiu que entre as candidaturas estão empresas da Madeira e do Porto Santo, maioritariamente a exercer atividade nas áreas dos transporte, hotelaria e animação turística.

O governante garante que a certificação é uma forma qualificação do destino turístico inserida na estratégia promocional “Madeira Safe to Discover”.

A Madeira é o único destino do país “que optou pela certificação no âmbito dos riscos biológicos”, salientou, e “está acima da média nacional de dormidas e de passageiros”. Eduardo Jesus revelou que em outubro a Madeira teve 271 mil dormidas, com uma estada média de quatro dias e meio.

Relativamente ao ano passado, em julho a Madeira estava a perder 97% dos turistas do Reino Unido, perda que foi recuperada nos meses seguintes de agosto (-80%) e de setembro (-70%).

O Secretário de Turismo e Cultura assegurou perante os deputados que o executivo madeirense tudo está a fazer para que a Região tenha “a menor perda possível”.

No caso específico do Porto Santo, Eduardo Jesus revelou que uma empresa dinamarquesa fez uma pequena operação para o Porto Santo provar ao governo dinamarquês que era possível viajar para a ilha dourada, no entanto “as circunstâncias na origem estão a condicionar a retoma das operações”.

“No enquadramento atual conseguir uma solução alternativa é completamente impossível, nem mesmo a nível nacional”, afirmou.

Foi no mercado nacional onde se registaram as menores perdas. Em setembro, a descida foi de 10% em relação ao mesmo mês do ano passado.

Audição Secretário Regional Turismo e Cultura (áudio)
Copyright © 2018-2021 ALRAM