ARM prevê investir 300 milhões de euros até 2044

Share Image

O Presidente da empresa pública Águas e Resíduos da Madeira (ARM) garantiu hoje no parlamento madeirense que o montante estimado de investimento da ARM até ao final da concessão (2044) é de 300 milhões de euros. Este montante vai abranger as áreas do abastecimento de água e da recolha e tratamento...

XII Legislatura, II Sessão Legislativa Comissão Especializada
ARM prevê investir 300 milhões de euros até 2044
  • 2.jpg
  • 1.jpg

O Presidente da empresa pública Águas e Resíduos da Madeira (ARM) garantiu hoje no parlamento madeirense que o montante estimado de investimento da ARM até ao final da concessão (2044) é de 300 milhões de euros. Este montante vai abranger as áreas do abastecimento de água e da recolha e tratamento de resíduos sólidos.

Amílcar Gonçalves foi ouvido, esta tarde, na Comissão Especializada de Recursos Naturais e Ambiente “sobre os investimentos no setor da água potável e da água de rega da ARM e o seu equilíbrio financeiro face à dívida da Câmara Municipal do Funchal”.

Com uma rede de 2.800 km de levadas, o investimento no sistema de regadio é 34 milhões de euros.

Sobre a saúde financeira da ARM, Amílcar Gonçalves afirmou perante os deputados que “a situação está-se a complicar de forma muito significativa”. O concelho do Funchal consome cerca metade da água destinada ao abastecimento da população e entrega à ARM cerca de 40% dos resíduos sólidos para tratamento. “Desde 2013 houve um contencioso relativamente a uma questão tarifária, tanto na água como nos resíduos, e esse contencioso arrasta-se até à data”, explicou. Amílcar Gonçalves diz que a câmara do Funchal tem uma dívida “que é quase o nosso volume de negócios anual”. Aclarou que “é um cliente que paga 82% da conta de água e paga um terço da conta dos resíduos”. A continuar assim “não há investimentos nenhuns para ninguém”, afirmou o presidente da ARM, que falou de “bullying financeiro sobre a ARM”.

O líder parlamentar do PS refutou os dados argumentando com uma “quantidade de falsidades incomensurável”. Miguel Iglésias afirmou que o problema da dívida começou há cerca de 14 anos. "Entre 2006 e 2013, anos que a câmara do Funchal foi presidida por Miguel Albuquerque, a câmara deixou arrastar uma dívida de 34,4 milhões de euros”, lembrando Miguel Iglésias que foi o próprio Governo da República a acudir com três resgates e que foram realizados três acordos de pagamento entre a autarquia e a IGA/Valor Ambiente".

Audição Amílcar Gonçalves (áudio)
Copyright © 2018-2020 ALRAM