Assembleia Legislativa da Madeira dá parecer favorável ao 11.º estado de emergência

Share Image

A Comissão Especializada Permanente de Política Geral e Juventude, da Assembleia Legislativa da Madeira, deu parecer favorável ao Decreto do Presidente da República que prolonga o estado de emergência até 01 de março. Na deliberação por videoconferência, o PSD, o PS e o CDS-PP votaram a favor,...

XII Legislatura, II Sessão Legislativa Comissão EspecializadaComissão Especializada
Assembleia Legislativa da Madeira dá parecer favorável ao 11.º estado de emergência
  • Videoconferência alram 1.jpg
  • 3.jpg

A Comissão Especializada Permanente de Política Geral e Juventude, da Assembleia Legislativa da Madeira, deu parecer favorável ao Decreto do Presidente da República que prolonga o estado de emergência até 01 de março. Na deliberação por videoconferência, o PSD, o PS e o CDS-PP votaram a favor, enquanto o PCP manteve o voto contra.

“Comparativamente aos diferentes Decretos Presidenciais que têm vindo a ser aprovados desde novembro de 2020, importa referir que este diploma mantém no essencial o anterior Decreto Presidencial”, pode ler-se no parecer. No entanto os deputados destacam algumas alterações, entre elas as possibilidades serem “determinados níveis de ruído mais reduzidos em decibéis ou em certos períodos horários, nos edifícios habitacionais, de modo a não perturbar os trabalhadores em teletrabalho”, e de poderem ser “recrutados ou mobilizados para a prestação de cuidados de saúde quaisquer profissionais de saúde reformados, ou reservistas, ou que tenham obtido a sua qualificação no estrangeiro”.

Jacinto Serrão, presidente da comissão, salientou ainda que os movimentos relacionados com o “direito de emigrar ou sair do território, devem seguir escrupulosamente os critérios das autoridades nacionais e da União Europeia”.

Os deputados madeirenses voltaram a alertar para a menção ao “crime de desobediência para quem não cumprir o confinamento obrigatório” e a lembrar que “a tipificação de crimes é uma competência da Assembleia da República”.

“A Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira não se coíbe de salientar que, ao abrigo da Autonomia Política consagrada pela Constituição da República Portuguesa, a regulamentação do estado de emergência, da responsabilidade do Governo da República Portuguesa, deve respeitar os Direitos políticos conferidos às Regiões Autónomas, excecionando a legislação e/ou regulamentação a produzir em tudo aquilo que for competência desta ao abrigo do seu Estatuto Político-Administrativo da Região Autónoma da Madeira”, pode ler-se no parecer. O parlamento madeirense lembra ainda “que é competência exclusiva desta Região a distribuição das normas do funcionamento do sistema de Educação e a organização da resposta do serviço público de Saúde à pandemia na Região”.

“Contudo a manutenção das medidas de combate e controlo à propagação da Covid tem um impacto direto da Região Autónoma da Madeira, pelo que o seu enquadramento jurídico ao abrigo do estado de emergência afigura-se essencial para a continuação do sucesso das medidas adotadas pelas autoridades regionais de saúde”, conclui o parecer emitido pelo parlamento madeirense.

Jacinto Serrão, Presidente 1.ª Comissão 11.02.2021 (áudio)
Copyright © 2018-2021 ALRAM