Diploma que garante a ampliação da Reserva das Selvagens aprovado no Parlamento madeirense

Share Image

A Assembleia Legislativa da Madeira aprovou, hoje, a proposta de decreto legislativo regional que “aprova o novo regime jurídico da Reserva Natural das Ilhas Selvagens”, e que pretende ampliar a Reserva criada há 50 anos. A primeira Reserva Natural de Portugal “inclui toda a área terrestre e a...

XII Legislatura, III Sessão Legislativa PlenárioPlenário
Diploma que garante a ampliação da Reserva das Selvagens aprovado no Parlamento madeirense
  • 2 Debate ALRAM4.jpg
  • 1 Susana Prada1.jpg

A Assembleia Legislativa da Madeira aprovou, hoje, a proposta de decreto legislativo regional que “aprova o novo regime jurídico da Reserva Natural das Ilhas Selvagens”, e que pretende ampliar a Reserva criada há 50 anos.

A primeira Reserva Natural de Portugal “inclui toda a área terrestre e a marinha, até a batimétrica dos 200 metros, e integra, pela sua importância ecológica e representatividade de espécies e habitats, a Rede Natura 2000.

A estratégia conservacionista do Governo Regional nas Ilhas Selvagens, ao longo destes anos, envolveu inúmeros projetos de recuperação e de proteção”, começou por enquadrar a Secretária Regional de Ambiente, Recursos Naturais e Alterações Climáticas.

Susana Prada referiu que “não obstante a proteção legislativa e operacional, instituída em torno das Selvagens, e do sucesso da estratégia conservacionista destes 50 anos, a singularidade destas ilhas exige mais, face às pressões climáticas e aos riscos de degradação que lhes estão associados”.

O Diploma agora aprovado pretende “salvaguardar a integridade do excecional Património Natural destas ilhas, aumentar a capacidade reprodutiva das espécies e as reservas pesqueiras, no mar circundante, e dar notoriedade à Região, reforçando a sua imagem de destino sustentável”.

“Além dos inquestionáveis benefícios ambientais, esta maior proteção trará também benefícios de cariz económico e social, no que diz respeito ao setor das pescas, do turismo de natureza e científico, da investigação, e da usufruição pública”, concluiu a governante.

Reunião Plenária n.º 32 03.02.2022 (áudio)
Copyright © 2018-2022 ALRAM