Desenhos de Teresa Gonçalves Lobo transmitem o pulsar da terra e dão nova vida ao carvão das árvores queimadas

Share Image

Foi hoje inaugurada, na Assembleia Legislativa da Madeira, a exposição “Da Raiz ao Núcleo”. Teresa Gonçalves Lobo, que nunca pensou mostrar a sua arte no Parlamento madeirense, disse ser “uma honra e um desafio expor na Assembleia Legislativa da Madeira”. Revelou que foi só depois de analisar as...

XII Legislatura, II Sessão Legislativa ExposiçãoExposição
Desenhos de Teresa Gonçalves Lobo transmitem o pulsar da terra e dão nova vida ao carvão das árvores queimadas
DA RAIZ AO NÚCLEO – A exposição de Teresa Gonçalves Lobo pode ser visitada de segunda a sexta-feira, das 9h00 às 18h00, até 31 de julho de 2022.
  • AHF17873.JPG
  • AHF18063.JPG
  • AHF17877.JPG
  • AHF18092.JPG
  • AHF17701.JPG
  • 275485051_323972663099123_4992494729276423283_n.jpg
  • 275491484_323972673099122_6996436954327264840_n.jpg
  • 275556538_323973203099069_9004810339604624095_n.jpg
  • 275608783_323973299765726_1657246397605948957_n.jpg

Foi hoje inaugurada, na Assembleia Legislativa da Madeira, a exposição “Da Raiz ao Núcleo”. Teresa Gonçalves Lobo, que nunca pensou mostrar a sua arte no Parlamento madeirense, disse ser “uma honra e um desafio expor na Assembleia Legislativa da Madeira”. Revelou que foi só depois de analisar as paredes e a luz de cada espaço é que os desenhos começaram a surgir. “Não desenho para um lugar. Desenho e depois quando existe um sítio para expor, tento adaptar o meu desenho ao lugar e ao discurso narrativo”, explicou.

Composta por cerca de duas dezenas de obras, a mostra, dissemina-se por vários espaços da Assembleia Legislativa da Madeira e declina-se numa intensa narrativa conceptual de linhas e manchas que dialogam entre si. Alguns dos desenhos foram feitos com carvão das árvores queimadas em incêndios que assolaram as serras da Madeira. “Foi uma sensação incrível estar a desenhar com esta madeira de árvore queimada. É um privilégio ir buscar a cinza e voltar a dar vida… aquela árvore que já nos deu oxigénio, que já nos deu flores e já nos deu fruto”.

Teresa Gonçalves Lobo confidenciou ainda que desenha sempre descalça “para sentir o pulsar que vem da terra”.

“Da raiz ao núcleo” declina-se, também, no livro-catálogo homónimo, publicação apoiada pelo Parlamento madeirense, que contempla um extenso ensaio assinado por Bernardo Pinto de Almeida, com Palavras Prévias do Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, José Manuel Rodrigues.

No âmbito da exposição, que ficará patente até ao dia 31 de julho de 2022, será desenvolvido um programa de visitas orientadas pela própria artista, dirigidas a vários públicos, incluindo turistas portugueses e estrangeiros e estabelecimentos de ensino.

 

Uma arte que é poesia e que surpreende

“A Essência da Arte é Poesia”, foi com esta frase de Heidegger que Marcelino Castro, coordenador do centro de estudos IDEIA - Investigação e Divulgação de Estudos e Informação sobre a Autonomia, apresentou a pintura de Teresa Gonçalves Lobo, corporizada na exposição “Da Raiz ao Núcleo”, inaugurada hoje na Assembleia Legislativa da Madeira.

Para o investigador, Licenciado em Estudos Clássicos e Portugueses, a arte de Teresa Gonçalves Lobo “toca nos elementos e deles exaure a força da sua simplicitas; traz-nos de volta à terra e da sólida e criativa interligação dos elementos na terra expõe, pelo traço dos desenhos, pelo carvão, a ‘gravitas’ (a força, o peso), a frágil solidez, o ser das coisas simples, donde provimos e às quais voltaremos. Tudo isto comunica uma força que resulta do traço, mas também da cor.”

Marcelino Castro entende ainda que este trabalho da pintora portuguesa, com notoriedade internacional, “comunica pelo simples facto de a artista aceder às formas primeiras pelo trabalho de ver claro na multiplicidade”. Salienta ainda que “o pórtico da sua arte é o da Unidade, que pressinto se revela simples mesmo nas coisas grandes que nos afetam muitíssimo, como a morte, por exemplo, sem a qual não existe vida.”

“Sinto em muitos dos seus trabalhos, apesar das linhas que evocam movimentos, a fixação não ainda assim no devir, mas no que permanece. (…) E, de facto, há uma impermanência elemental na distração genérica em que vivemos, em desconcentração do que interessa. Por isso esta arte nos surpreende”, vincou Marcelino Castro.

“Sinto, mesmo quando a carvão, uma ‘claridade radiosa’ (para usar uma expressão de Sophia) em todos estes trabalhos, que vão de facto ‘da Raiz ao Núcleo’. A raiz, como todos nós sabemos, cresce em sentido contrário ao caule; a raiz aprofunda, fundamenta, e dá origem… O núcleo é o âmago e a essência, ali onde se movem os elementos básicos da matéria; o núcleo é a sede do que existe”, afirmou o coordenador do IDEIA.

 

Sobre a artista

Teresa Gonçalves Lobo nasceu em 1968 no Funchal. Vive e trabalha em Lisboa e no Funchal, cidades onde têm os seus ateliers. Estudou desenho, pintura, gravura e fotografia no Ar.Co Centro de Comunicação Visual e no Cenjor, respetivamente. Teresa Gonçalves Lobo, cujo trabalho se iniciou há quase duas décadas, centrou-se logo de início no desenho, campo expressivo onde tem desenvolvido notável pesquisa.

Tendo exposto em diversos espaços em Portugal, e também internacionalmente, é hoje representada em Inglaterra pela prestigiada galeria londrina WATERHOUSE & DODD, onde expôs quer individual quer coletivamente. O seu trabalho tem merecido uma grande atenção crítica, tendo sido objeto de ensaios monográficos da autoria de vários críticos e curadores portugueses como Nuno Faria, João Pinharanda ou Bernardo Pinto de Almeida.

Teresa Gonçalves Lobo encontra-se representada em diversas Coleções, privadas e institucionais, em Portugal e no estrangeiro.

Exposição Teresa Gonçalves Lobo (vídeo)
Inauguração da Exposição de Teresa Gonçalves Lobo (vídeo)
Inauguração da Exposição de Teresa Gonçalves Lobo (áudio)
Copyright © 2018-2022 ALRAM