Volta à Cidade do Funchal corre-se este ano contra a violência doméstica e sob a bandeira da inclusão

Share Image

A 63.ª Volta à Cidade do Funchal transporta, este ano, um alerta contra a violência doméstica e pretende ser a Corrida de São Silvestre mais inclusiva de sempre. Sob o lema ‘Contra a Violência Doméstica não parar”, a Associação de Atletismo da Madeira quer chamar a atenção para um problema social...

XII Legislatura, IV Sessão Legislativa ConferênciaConferênciaPresidente
Volta à Cidade do Funchal corre-se este ano contra a violência doméstica e sob a bandeira da inclusão
  • 3.jpg
  • 5.jpg
  • 2.jpg
  • 1.jpg
  • 4.jpg
  • 6.jpg

A 63.ª Volta à Cidade do Funchal transporta, este ano, um alerta contra a violência doméstica e pretende ser a Corrida de São Silvestre mais inclusiva de sempre.

Sob o lema ‘Contra a Violência Doméstica não parar”, a Associação de Atletismo da Madeira quer chamar a atenção para um problema social que “não pode ser olhado de lado”, começou por salientar o presidente da Associação, Policarpo Gouveia, durante a apresentação da prova que decorreu na Assembleia Legislativa da Madeira, parceira deste evento desportivo.

À campanha junta-se o Instituto de Segurança Social da Madeira que vai “promover uma exposição pormenorizada sobre o tema”, nos dias que antecedem a prova e durante a competição.

Parte das receitas das inscrições vão ser canalizadas para “um fundo de apoio às vítimas da violência doméstica”, aberto, também, a donativos.

A Volta à Cidade do Funchal, deste ano, corre-se, ainda, sob o lema da inclusão, e por isso a prova é para todas as pessoas. Estão abertas “as inscrições para quem quiser participar na volta levando consigo um atleta invisual. Pessoas com dificuldades motoras, também, poderão ser acompanhadas durante o percurso de 5.850 metros”, vincou Policarpo Gouveia.

O Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira destacou o caráter social e solidário da Volta à Cidade do Funchal. “É com satisfação que vemos que a prova será aberta às pessoas com necessidades especiais, às pessoas com deficiência, e que de uma forma inovadora vamos ter uma prova mais inclusiva”, frisou José Manuel Rodrigues.

“A violência doméstica é um flagelo social na nossa sociedade, que temos que combater diariamente. O desporto pode ser um excelente veículo para transmitir uma mensagem forte contra a violência doméstica na Madeira, no país e no mundo”, referiu o Presidente do Parlamento madeirense.

Esta foi a última apresentação pública de Policarpo Gouveia como Presidente da Associação de Atletismo da Madeira e um momento aproveitado pelo Diretor Regional do Desporto para agradecer o trabalho prestado em prol da prática desportiva. “São 25 anos de trabalho inesgotável, de crescimento sustentado, de desenvolvimento desportivo e de contributos inequívocos ao desenvolvimento desportivo da Região”, afirmou David Gomes. “Esta prova é o corolário deste fantástico trabalho que tem vindo a ser feito”, reforçou.

“Verificar que existe aqui uma prova que vai dar oportunidade a que as pessoas quebrem as suas barreiras, os seus tabus e que se possam juntar às festividades de Natal, com prática desportiva, na elevação da sua saúde e do bem-estar é algo que apraz registar”, disse o Diretor Regional do Desporto, adiantando, ainda, que o Governo Regional “majora as provas com a dimensão de inclusão social”.

A Volta à Cidade do Funchal é a Corrida de São Silvestre mais antiga da Europa. Traz à Madeira atletas de renome nacional e internacional.

“Para ter o dorsal personalizado, as inscrições têm de ser feitas até ao final de novembro”, esclareceu o Presidente da Associação de Atletismo da Madeira.

A prova acontece no dia 28 de dezembro.

Conferência de imprensa de apresentação da Volta à Cidade do Funchal 2022 (áudio)
Copyright © 2018-2022 ALRAM